Redução de mamas após amamentação: sim, é possível!
A Clínica D’Aló, liderada pelo cirurgião plástico Leonardo D’Aló, trabalha para cuidar do bem-estar dos pacientes, traduzindo seus anseios e expectativas em resultados.
leonardo dalo, clinica, cirurgia plastica, porto alegre
16987
post-template-default,single,single-post,postid-16987,single-format-standard,ajax_updown,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled,qode-title-hidden,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-16.3,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5,vc_responsive
Redução de mamas após amamentação

Redução de mamas após amamentação: sim, é possível!

Com o nascimento dos bebês e por causa da produção de leite, os seios das mulheres aumentam de tamanho. Passada a fase do aleitamento, a pele desta região pode também perder a elasticidade. Nestes casos, a redução de mamas após amamentação está entre os procedimentos mais indicado pelos cirurgiões para recuperar o formato de antes da gestação e reduzir a flacidez.

SAIBA MAIS: FAZER CIRURGIA PLÁSTICA NO PÓS-PARTO É PERMITIDO?

 

Mas para que a cirurgia seja realizada com segurança e não interfira na alimentação dos bebês, é preciso ficar atento para o momento certo de fazê-la. É necessário que a produção de leite já tenha cessado. E isso vale tanto para quem vai fazer mamoplastia redutora como para quem se submete à mamopexia, para levantar os seios, pois somente após a lactação acabar é possível analisar o tamanho real das mamas.

Para mostrar como a redução de mamas após amamentação é possível, elaboramos uma lista com as principais dúvidas e respostas sobre o tema.

redução de mamas após amamentação

Principais dúvidas sobre redução de mamas após amamentação

1 – Quanto tempo após a amamentação parar é preciso esperar para reduzir as mamas?

De forma geral, é preciso esperar no mínimo seis meses após a gestação para fazer qualquer cirurgia. No caso das mamas, os procedimentos só podem ser realizados depois de passados de três a seis meses do término do período de amamentação conforme avaliação médica. Este tempo é necessário para que não haja mais leite e os seios já estejam com as características definitivas.

2 – Como melhorar a flacidez das mamas após a lactação?

Quando a pele dos seios perde a elasticidade, somente a colocação de implantes de silicone não é suficiente. Para eliminar a flacidez, a melhor indicação é a mastopexia. Este procedimento promove o levantamento das mamas através da retirada de pele e remodela os mamilos para corrigir a perda de elasticidade.

SAIBA MAIS: ABDOMINOPLASTIA CORRIGE MUSCULATURA APÓS DIÁSTASE

 

3 – Após reduzir os seios é possível amamentar?

Mulheres que ficaram com os seios maiores após a lactação e recorreram à redução das mamas para voltarem ao tamanho original, têm muita preocupação com uma nova gravidez e a possibilidade de não poderem amamentar novamente. Em casos de pequenas e médias reduções, geralmente não há problemas e a lactação é preservada. Porém, quando a diminuição é acentuada, é necessário conversar com o cirurgião sobre os riscos de ter prejudicada a possibilidade de amamentação futura.

Redução de mamas após amamentação

4 – Após colocar implantes mamário pode-se amamentar novamente?

As próteses de silicone não atrapalham em nada a amamentação. Os implantes modernos têm maior resistência e, quando colocados corretamente por um cirurgião habilitado e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), ficarão bem localizado. Nestes casos, por estarem atrás da glândula mamária ou do músculo peitoral, não causam qualquer impeditivo para uma nova amamentação. Lembrando que é necessário esperar ao menos seis meses para uma nova gravidez.

 

5 – É possível refazer a cirurgia após uma nova gravidez?

Quando a mulher já passou por cirurgias de mama após amamentação, seja para levantamento, redução da flacidez ou remodelação do tamanho, e volta a engravidar, os resultados já conquistados podem ser perdidos. Mas a necessidade de nova cirurgia plástica só poderá ser avaliada em consulta com cirurgião e obedecidos os prazos mínimos para outra intervenção.